2ª Edição do Prêmio DaPaz de Direitos Humanos homenageia Giovanni Baroni

2ª Edição do Prêmio DaPaz de Direitos Humanos, homenageia Giovanni Baroni - “Um Homem Maior que a Vida”. comprometido e atuante, desenvolve trabalhos em organizações que compõem a REDE ( Organização da Sociedade Civil), entre tantos trabalhos relevantes em diversas áreas

Morador do distrito de São Severino, Baroni recebeu a premiação em casa. acompanhado de sua esposa Macione Pessoa Baroni, que conduziu a entrega do Prêmio, expressado por muitas emoções.


O momento, realizado pela plataforma Zoom, contou com a participação do prefeito Joselito Gomes, da primeira-dama e secretária de Assistência Social e Juventude, Viviane Facundes, do vice-prefeito e secretário de Turismo, Cultura, Esportes e Lazer, Júnior Darita, e da secretária da Mulher, Ester Gomes. Além da família, amigos de Baroni e representantes das instituições que compõem a REDE. Foram momentos de muita emoção marcados por homenagens de amigos e familiares


Baroni foi citado como um homem que tem sonhos maiores que a própria vida, que contribui para tornar o mundo melhor, faz parte da história de Gravatá e tem o cuidado consigo, principalmente com os outros e com a natureza.


Durante as homenagens foi apresentado um vídeo com a música italiana Bella Ciao, música da resistência italiana, de compositor desconhecido, marcado com momentos familiares, de amigos e do próprio Baroni contando sua história e trajetória.


Giovani Baroni muito feliz e emocionado agradeceu de todo coração essa homenagem: “Me emociono com o prêmio, mas o mais importante é cuidar da natureza em sua totalidade. É esse legado que quero deixar a todos. Vamos cuidar uns dos outros e da natureza. Um grande abraço e obrigada a todos. Quero dedicar esses prêmios à natureza e que a gente aprenda a viver e a cuidar de todos”.


Ester Gomes, secretária da Mulher, comenta que: “Um momento de grande expressividade e importância para Gravatá que é a entrega do prêmio da segunda edição do Prêmio DaPaz de Direitos Humanos, dessa vez entregue a Giovanni Baroni, um prêmio muito merecido pela sua história, pela sua trajetória de vida e pela sua imensa contribuição aos serviços prestados nas diversas áreas, incluindo direitos humanos. Além de seu amor, compromisso com a natureza e agricultura. A gestão pública, através da Secretaria da Mulher, sente-se muito honrada de fazer parte desse momento tão expressivo e importante para Gravatá”.


O prefeito Joselito Gomes, fala da entrega do prêmio a uma grande pessoa que cuida de si e principalmente dos outros: “É gratificante para nossa gestão poder fazer parceria e apoiar esta segunda edição do Prêmio DaPaz, um prêmio merecidamente entregue ao Giovanni Baroni porque sua existência é um aprendizado no sentido de que possamos assumir dia após dia a postura do cuidado, o cuidado consigo, com o outro e com aquele que é de todos, como por exemplo o cuidado com o meio ambiente, a natureza para que tenhamos vida e vida vivida com dignidade, respeito e qualidade. E assim sendo, Baroni também aponta para nós o caminho das políticas públicas para que de fato possamos fazer acontecer a justiça social. Então, parabenizo o Baroni que está sendo premiado, que Deus o abençoe, fortaleça sua fé e sua esperança e possamos a exemplo dele seguir o caminho do cuidado, da promoção, da justiça e da paz porque nosso compromisso é com as pessoas”.


Conheça um pouco da História de Giovanni Baroni:


Italiano, 74 anos. Pai de Irani e Ernesto e avô de Ravi, Helena e Laura. Brasileiro de alma e coração desde 1969, data em que chegou no Brasil. Ainda na Itália cursou no seminário filosofia. No seminário, encontrou-se com o livro de Paul Gauthier: O Carpinteiro Jesus de Nazaré. Esse encontro mudou o percurso da sua vida.

Ingressou na comunidade fundada pelo padre Paul Gautiher na França, os companheiros de Jesus, onde teve contato com a situação da Palestina, da América do Sul em plena Ditadura Militar. Junto a outro companheiro, desembarcaram em Cuba. Depois seguiram para Colômbia onde ficaram por um período de um ano.


Giovanni desembarcou no Brasil em 29 de setembro de 69, juntou-se ao grupo Var -Palmares, na luta armada por acreditar que naquele momento esse era o melhor combate.


Nesse grupo, conheceu a companheira Vera Regina, casaram-se em 72. No ano seguinte receberam o convite do Bispo de Crateús no Ceará, Dom Fragoso, permanecendo alguns anos atuando na Diocese em projetos na promoção humana.


Nos anos seguintes, depois de uma passagem pela cidade de Lajedo, atuou fortemente na luta sindical e vivência no campo. Décadas de atuação na luta sindical em Fábrica na capital, colaboração na formação do Partido dos Trabalhadores.


Em 1997 compra uma propriedade rural em Gravatá, e em 2005 associa-se a AMA Gravatá, começa a plantar orgânico em seu sítio em parceria com produtores locais, família de Adriano e Cilene, nesse mesmo ano conhece sua atual companheira, Macione, no ano seguinte começaram a dialogar com os agricultores membros da AMA GRAVATÁ, inicia-se às conversas de uma fundação de uma associação local, de produção agroecológica. No ano de 2008 passa a morar em definitivo com sua companheira Macione Pessoa, no sítio Felice; no ano de 2014 oficializa essa união. Continua atuando fortemente com projetos na agricultura familiar e participa ativamente da fundação da Associação AmaTerra, em 2009, que agrega agricultores situados na sua maioria no distrito de São Severino.


A agroecologia, a proteção das matas e nascentes passa a ser o foco principal da sua atividade: Um outro mundo é possível na construção de uma economia solidária e sustentável.

Vive no Felice com sua companheira, com seus compadres Cícero e Izabel e seus netos do coração, Fernandinho e Eliza.


Sobre a REDE:

Rede de Organização da Sociedade Civil é composta por dez instituições que são: Grupo de Apoio aos Meninos de Rua (GAMR), Fábrica de Cultura, Obra de Defesa da Infância Pobre (ODIP), Pastoral da Criança, Serviço de Estimulação e Reabilitação da Criança (SERC), AMA Gravatá, AMA Terra, Instituto João Evangelista, Círculo de Trabalhadores Cristão de Gravatá (Círculo Operário), e Associação Luterana Pró Desenvolvimento e Universalização de Direitos Sociais (Pro Ludus – O Caminho).


Com informações da SECOM

Fotos: Nilson Silva