Aprenda mais Português com Dilsa Farias

O isolamento social é algo muito novo em nossa vida. Precisamos preenchê-lo com diversas atividades para que os dias não sejam sempre iguais.

Eu, por exemplo, dedico grande parte do meu tempo livre a fazer o que mais gosto: pesquisar e escrever sobre o passado de nossa querida Gravatá! Qualquer lembrança que me traga inspiração, eu transformo imediatamente num registro literário. E como sempre, me

dedicando à Língua Portuguesa para escrever e me expressar de forma correta.

Conheça alguns dos erros de português mais comuns para não aplicá-los no seu dia a dia.

Há ou a? Tem ou têm? Mau ou mal?

Seja no mercado de trabalho ou no meio social, comunicar-se de forma correta é fundamental para transmitir credibilidade.


1- Para mim ou para eu

Já ouviu falar naquela expressão “Mim não conjuga verbo”? Pois é, ambas as formas podem estar certas, mas, se a frase continua com um verbo, deve-se usar “para eu”.

Por exemplo: Maria trouxe queijo para

mim; Pedro pediu para eu cuidar das plantas dele.

É errado se expressar assim:

Quero algo pra mim fazer.

Eu mim sinto muito feliz com você

Correto: Quero algo para eu fazer.

Eu me sinto muito feliz com você.


2 -Tem ou têm

Também comumente mal empregados, são duas formas de conjugar o verbo ter no presente. Enquanto tem é usado sempre no singular, têm indica o plural.

Por exemplo: Você tem medo de altura; Elas têm medo de altura.


3- Mau ou Mal

Mau é o contrário de bom, já mal faz oposição a bem. Na dúvida sobre qual usar, faça a substituição e veja o que dá

mais certo.

Por exemplo: Ele acordou de bom humor; logo, Ele acordou de mau humor.

Ele vive praticando o mal. Ele vive praticando o bem.


2. Há ou a

“Há”, do verbo haver, serve para indicar algo que aconteceu no passado. Pode ser substituído por “faz” sem que a frase perca o sentido.

Por exemplo: Nos encontramos há

dez anos; Nos encontramos faz dez anos.

Por outro lado, o “a” faz referência a um momento no futuro ou à distância entre objetos.

Por exemplo:

As eleições presidenciais acontecerão daqui a dois meses; O cartório mais próximo fica a 5 quilômetros.


3. “Há anos atrás”, “Muitos anos atrás” e “há muitos anos”

Primeiramente, é preciso lembrar que usar “há” e “atrás” na mesma frase é um pleonasmo ( ou seja, uma repetição de ideias), pois ambos indicam passado. A forma correta permite usar um ou outro.

Por exemplo: “A erosão do solo começou há muito tempo”; “O romance entre

eles começou muito tempo atrás.”


Obs.: Caso a famosa música, Eu nasci há 10 mil anos atrás do Raul Seixas

venha à sua mente, saiba que a frase é incorreta. Porém aceitável por causa da licença poética.


Até a próxima!



Dilsa Farias

Professora de Língua Portuguesa e Literatura. Atualmente, ocupa uma cadeira na Academia de Letras e Artes de Gravatá como Historiadora e Colecionadora de fotos antigas da cidade e de seu povo. Como Historiadora, ela se empenha em resgatar o passado da cidade e registrar o presente. E-mail: dilsamaria@gmail.com




passado. A forma correta permite usar um ou outro.

Por exemplo: “A erosão do solo começou há muito tempo”; “O romance entre

eles começou muito tempo atrás.”

Obs.: Caso a famosa música, Eu nasci há 10 mil anos atrás do Raul Seixas

venha à sua mente, saiba que a frase é incorreta. Porém aceitável por causa da licença poética.

Copyright © 2017 - verasoutomaior.com - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Viva Comunicação PE