“Mulher, Vai Tudo Bem Contigo?”


A Prefeitura de Gravatá, lançou a campanha “Mulher, Vai Tudo Bem Contigo?”. Uma parceria entre a Secretaria da Mulher – SECMULHER, e o movimento Mulheres EIG – Evangélicas pela Igualdade de Gênero.,

O objetivo da campanha é criar um canal de relacionamento para que as mulheres que fazem parte de instituições religiosas cristãs estejam engajadas na luta pela igualdade de direitos e de gênero. Além do engajamento, a campanha visa proporcionar a segurança das mulheres que estão inseridas em relacionamentos abusivos, que já sofreram ou sofrem algum tipo de agressão e que, por conta do medo não buscam ajuda.


A presidente-fundadora do movimento Mulheres EIG, Valéria Vilhena, comenta que “estou muito feliz de estar aqui em Gravatá com a representatividade dos equipamentos públicos de enfrentamento às violências contra as mulheres, junto à Secretaria da Mulher e em parceria aqui com o nosso movimento, a nossa organização, a Mulheres EIG. São mulheres de fé, mas de luta, de resistência, sempre pelo estado laico, pelos direitos das mulheres, pela democracia e aqui estamos fazendo o lançamento dessa campanha ‘Mulher, Vai Tudo Bem Contigo?’. Essa é uma campanha pra nós, além de sensibilizar as comunidades de fé, mas também nos prepararmos mais e melhor para o entendimento, a escuta ativa, atenta às mulheres que estão em condição de violência. Uma escuta de acolhimento, sem julgamentos, que a gente possa aprender a encaminhar, de forma eficiente, as nossas mulheres que estão em condição de violência.”


Secretária da Mulher, Ester Gomes reforça o compromisso da gestão do prefeito Joselito Gomes com a causa das mulheres no município. “Esse momento é extremamente importante, onde a Secretaria da Mulher, junto à gestão municipal, dá mais um passo rumo a uma discussão legítima e efetiva na questão do enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher e dessa vez de mãos dadas em parceria com a EIG e também com a representação de líderes religiosos. Uma manhã importante para as igrejas discutirem e se perceberem de ajuda, de apoio, de orientação, de acolhimento às mulheres vítimas de violência.”


Informações SECOM,

Fotos Anderson Souza